Toyota 50 anos Toyota 50 anos


50
anos,

a Toyota veio para ficar consigo.

Em 1968, Salvador Caetano trouxe para Portugal a Toyota e a vontade de fazer história. E fez. 50 anos depois, fazemos parte das histórias de muitos portugueses.

FC Porto Conquista o Mundo à Boleia da Toyota

A final que rendeu uma taça e um Toyota.
O FC Porto preparava-se para conquistar um dos mais importantes títulos internacionais da sua história, mas uma notícia prometia dividir o protagonismo com os “dragões”. A entrega de um Toyota ao melhor jogador em campo fazia disparar a curiosidade dos adeptos. Como era o Toyota que todos desejavam?
Glória na “Toyota Cup” e outra vez Madjer.
A 13 de dezembro de 1987, disputava-se em Tóquio a Taça Intercontinental - FC Porto contra o Peñarol, do Uruguai. A Toyota, à época patrocinadora oficial da competição desde 1980 – daí esta ser conhecida por Taça Toyota – entregava ao melhor jogador em campo um automóvel, geralmente um modelo de segmento superior. A história do jogo é conhecida: O FC Porto derrotou o Peñarol com dois golos contra um. 
O jogo foi tenso, com nevoeiro intenso e neve, que cobriam o relvado e dificultavam a partida. Um empate aos 90 minutos, e vai-se a prolongamento: o FC Porto viria a ter a sua vitória aos 110 minutos, com o golo de Madjer. 
Vermelho não.
Mas não só de um título se tratava esta competição: os jogadores disputavam um Toyota Carina. O “man of the match” foi Rabah Madjer, que posou alegremente ao lado do seu Carina vermelho.
No entanto, o carro que Madjer levou para Portugal foi um Carina cinzento, entregue pelo próprio Salvador Caetano, que entendeu, por uma questão estética, que cinza seria mais discreto. 
O Prémio está no museu.
 O carro chegou mesmo a ser utilizado como veículo a serviço do clube, e mais tarde pelo próprio Madjer, quando este treinou os juniores. Agora, está em exposição no museu do FC Porto.
Despedida com vitória.
A Taça Toyota teve a sua última edição a 12 de dezembro de 2004, em Yokohama, na qual o vencedor foi mais uma vez o FC Porto. O título foi disputado com o Once Caldas, da Colômbia, e Pedro Emanuel marcou o golo da vitória, por 8 a 7, em grandes penalidades, que viria a conceder o título de campeão da Taça Intercontinental à equipa Portuense.
O melhor jogador? Maniche, que também recebeu o seu prémio – um automóvel Toyota, claro.
Esta associação da Toyota ao desporto soma, ao longo dos anos, muitos capítulos, e onde o mais recente é o patrocínio aos jogos olímpicos e paralímpicos até 2024.