Toyota 50 anos Toyota 50 anos

Tu precisas de um Clássico

Não queria que o meu primeiro carro fosse um Toyota. Qualquer coisa menos um Toyota. Ainda assim, em Novembro de 2015 dava por mim, num mero acaso, a comprar um Starlet ep70 XL vermelho. Um mero acaso feliz. Procurar um carro antigo às cegas geralmente acaba com um charuto já sem sopro, e o problema é que eu não fumo. Depois de dois anos de uma surpreendente introdução aos Toyotas, não tive dúvidas que o meu próximo carro seria mais um nipónico das três elipses. O meu objectivo era experienciar algo diferente da conveniência e previsibilidade dos anos 80. Algo arcaico, da era dos cromados, da baquelite, da napa e do viníl. Não demorou muito até afunilar a pesquisa e decidir-me pelo Corolla KE20, carinhosamente apelidado de Corolla 1200 por aqueles que o reconhecem dos seus tempos de juventude. A história deste modelo fascina-me: Foi um carro popular icónico que marcou grande parte das famílias portuguesas nos anos 70, a par dos Datsun 1200. Perde-se conta às vezes que mo dizem “O meu tio já teve um”, ou “havia um na minha família”. Foi um modelo produzido em Portugal, na fábrica da Salvador Caetano em Ovar, a primeira fábrica da Toyota na Europa, sendo o Corolla um dos responsáveis inquestionáveis pelo sucesso deste lendário império industrial português, numa perfeita simbiose tal Apple, tal Macintosh. No dia do casamento dos meus pais, foi um KE20 a levá-los à igreja. Era do irmão do meu pai. “O meu tio já teve um”. Curioso, o meu também.
Histórias Reais
Histórias Reais
Histórias Reais